Shenzhen decreta lockdown, mas porto segue operando

Nossa newsletter está no ar! Inscreva-se e garanta que nenhuma informação omita sua caixa de entrada.

Shenzhen está em lockdown desde segunda-feira (14) – Foto: Pixabay


No início desta semana, autoridades chinesas comunicaram que a cidade de Shenzhen foi submetida a um lockdown de sete dias para conter a escalada de casos de Covid-19. No período entre 14 e 20 de março, com a exceção dos trabalhadores considerados essenciais, todos os mais de 17 milhões de residentes só poderão sair de casa para realizar testes de detecção do vírus.

Shenzhen é uma das principais metrópoles da China e possui um dos maiores portos de movimentação de containers do mundo. Então, desde segunda-feira, a comunidade da logística internacional está apreensiva e de olho para saber se o lockdown efetivamente irá durar apenas sete dias ou se será estendido por semanas a fio.

Com menos trabalhadores disponíveis para a realização dos serviços portuários, a preocupação é que se repitam os caos logísticos vividos em maio do ano passado em Shenzhen ou em agosto em Ningbo: um efeito dominó de ocorrências que levam ao aumento nos congestionamentos dos portos, gargalos na oferta de serviços e, lá no fim do processo, o aumento dos fretes.

Em uma matéria publicada na terça-feira (16), o site TradeWinds informou que, segundo agências marítimas, os portos de Shenzhen e Shanghai (outra metrópole também afetada por severas restrições contra a covid) seguiam operando normalmente. O que seria um indicador de que o impacto deste lockdown não seria tão severo quanto das outras vezes.

No entanto, Qingdao e Yangtze já estariam registrando um aumento na quantidade de navios ancorados aguardando atracação.

Por mais que os portos continuem funcionando normalmente, armazéns e retroárea provavelmente serão impactados. A Maersk soltou um comunicado na segunda-feira (14) informando que armazéns estariam fechados até o dia 20 mas os demais serviços seguiam funcionando normalmente.

Também na segunda-feira (14), uma matéria publicada no conceituado portal The Loadstar usa um tom um pouco pessimista para dizer que o lockdown em Shenzhen vai causar impactos maiores do que os causados pelo bloqueio do Canal de Suez. O mercado indiano já estaria alarmado com uma nova falta de vazios.

Um dos problemas seria o fato de que as indústrias de Shenzhen teriam sua produção impactada de formas diferentes – o que diminuiria o fluxo de produtos escoados até o porto para exportação, por fim colaborando para o desequilíbrio da cadeia logística.

Por exemplo: a Foxconn, uma das maiores fornecedoras da Apple, está com duas grandes fábricas fechadas durante o período do lockdown. Essa matéria da BBC fala um pouco mais sobre as indústrias.

Você, que tá aí no dia-a-dia, já percebeu algum impacto disso tudo na sua operação? Deixe aí algo nos comentários ou, se preferir, mande um e-mail para felipe@containerdiario.com!


Fontes: TradeWinds, The Loadstar, Container News, The Maritime Executive, Splash247, CNN, BBC

Siga O Container Diário no LinkedIn ou no Instagram. Ou nos dois.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s